quarta-feira, 31 de julho de 2013


Verdade


Não escrevo mais,
Não enquadro todas minhas ideias numa folha.
Hoje são cicatrizes na pele.
Carrego comigo todo o fardo acumulado,
Repleto de todo o abstrato
E me marco.

Sou meu próprio papel.
Um pedaço amaçado e sem linhas.
De bordas definidas, mesmo desbotadas...
Que não dorme, não sorri e nem chora.
E permanece nesse estado,
Até ser acompanhado pelas letras.

Deixei de ser presente nas minhas anotações
Talvez pelo excesso de decepções.
Pranto, desconforto, dor e saudade.
Minha poesia está no meu interior,
Se tornou maior valor...
Se tornou verdade.



- Sérgio Schiapim


"Primeiro poema que escrevo após, eu diria, o momento mais triste da minha vida...
Deixei de escrever usando o papel e a caneta. Comecei a carregar os versos na minha pele, no meu interior e nas noites mal dormidas. Depois da ausência de quase 3 meses, voltei a escrever. Estou mais leve. Agradeço o apoio."


4 comentários:

Reeh s2 disse...

Simplesmente lindo. Sem palavras Sergio. Parabens

A.L.P. disse...

Lindo demais! E tudo o que você diz é o maior fardo do poeta: o verso mais lindo que podemos carregar é aquele que guardamos no coração e ñ pode ser enquadrado nas linhas do nosso papel. Parabéns, como sempre!
Sempre que quiser um ombro amigo, pode me chamar!^^
Bjs!

Denise Medeiros disse...

Se tornou verdade: dor.

Adriana Helena disse...

Que lindos versos .. sempre muito expressivo e sensível Sérgio!
Sou admiradora do seu trabalho, das suas composições sempre beirando a alma! :)
Já me acostumei com a sua ausência!
Sei que preciso do devido tempo para se inspirar e compor...
E hoje fiquei muito feliz pelo seu retorno... também me senti mais leve lendo suas palavras!
Parabéns!
Obrigada, beijos e um ótimo fim de tarde!

Postar um comentário