domingo, 10 de junho de 2012



Febril


Sentir o ar em seu rosto frio.
Gotas de suor liquidificando o chão.
A soma dos passos ampliam a transpiração.
Mãos frias, espirito frio,
Seus pulmões cheios, seu coração vazio,
Perfeito e completamente febril.

Todas observações fracas, pensamentos vagos...
Andar sobre todas as calamidades,
Se ferir em todas as extremidades,
Com meu calor interno fazendo estragos.

Todas ilusões criadas em minha mente.
Todos os falsos continuando contentes
E todos sinceros no seu perpétuo sofrer...
Minhas letras são motivadas e persistentes.

Morrendo todos os dias no intuito comum.
Buscar mil objetivos sem desistir de nenhum...
Explicando o inexplicável.
Nos quarenta graus em contubérnio
Congregando os pulmões aos escarros
Ajustando o inajustável!

Cálculos que me fazem temer a queda.
Resistência equivalente que me faz cambalear.
Internamente quente,
Inversamente frio...
Mas ignoro todos os sintomas
Quando minhas vogais estão bem.

Somos o que precisamos!
Andamos ao encontro do que sempre sonhamos!
O calor é apenas um detalhe...
Pois, cada dia trás seu seu próprio envelhecimento.
Para adiar os escritos finais...
Continuaremos quentes!


- Sérgio Schiapim

"-Escrito em um tempo difícil pra mim, quando minhas mãos úmidas borravam o papel.
Estou melhor."






2 comentários:

gisele disse...

Serginho meu querido,
não poderia deixar de vir ate qui lhe parabenizar por este lindo poema.
Você escreve perfeitamente bem.
Espero que este tempo dificil tenha passado!!
Bjssss meu amigo.

Gio, Infinitivo Perpétuo. disse...

Estou melhor, mas passei um momento bem ruim... Mas essas coisas sempre passam. Obrigado pela visita, sempre gosto!

Postar um comentário