domingo, 17 de julho de 2011




Falência


Escrevo, entre papéis branco-amarelados,
A angústia dos seres aglomerados,
Sobre o ardente e imenso sol.
Falo sobre os sentimentos repugnantes,
Criando incógnitas sobre as consoantes,
Para tornar calmo o seu humilde She'ól!

Escrevo, sentimentos que passam a obnubilar.
O ser, sem fé, que deixa de acreditar,
Observando a deterioração do infinito...
O humano que busca sua vida inteira,
O lindo sentimento, que finda, virando poeira,
Tornando o mesmo humano precito.

Escrevo, meu passado morto,
Buscando, na consciência, o conforto...
Nas diversas escritas inacabadas.
Neste mar inteiro no qual afundas,
A perda das sensações profundas,
A essência das direções alteradas!

Enxergo a falência múltipla dos sentimentos...
E assopram-me todos esses ventos...
Os ataco, usando de palavras fatais,
Que jazem da natureza em mim congregada,
Que me atingem, pancada após pancada...
Após isso, eu não escrevo mais.




(Sérgio Schiapim)


6 comentários:

Cintia disse...

Muito lindo, adoro a sua forma de se expressar!

mery disse...

Também gostei demais do poema, Gio, é de tua autoria, é muito lindo...
Estou seguindo teu blog, abraços da carioca Mery.
Se puder, me faça uma visitinha, vou adorar e ficarei agradecida..

Bruna Benes disse...

"após isso eu não escrevo mais" - nem eu.


vestígios lúcidos de augusto dos anjos ali e amei.

Gio, Infinitivo Perpétuo. disse...

Sim, Augusto é minha maior influência... Mudou meu jeito de ver poesia. Tento manter a influência dele viva, assim como suas obras estão.

Paju Monteiro disse...

Teus poemas tem um ritmo, como uma valsa... Parece que dá para imaginar qual a próxima palavra!!! Teus poemas são vivos e cheios de sentimentos!!! Abraço e não solte a pena nunca!

Adriana Helena disse...

Oi Sérgio, um pouco atrasada desta vez , mas eu não poderia deixar de conferir o seu último trabalho!
Primoroso, você ingressou em um nível muito alto em escrever poesia. Amadureceu sobremaneira!
Fiquei encantada, é claro, e também surpresa mais uma vez com a densidade das palavras e dos versos!

Parabéns mesmo, muita inspiração e sucesso para ti jovem poeta!
Abraços!!!

Postar um comentário